Publicado por: Amanda Camasmie | agosto 1, 2009

O texto fala sobre política. Desafio você a lê-lo até o final.

Henri Lefebvre, filósofo marxista

Henri Lefebvre, filósofo marxista e sociólogo francês

No momento em que acaba de conquistar o mundo e inicia a conquista do universo, o homem (individual) mesmo é supérfluo. Só contam as massas fervilhantes, gigantescas. Então porque pensar, porque refletir, agir ou reagir? Cada homem sendo substituível, e além do mais inútil, busquemos o homem insubstituível e necessário, e deixemos a ele a tarefa de pensar e agir em nosso lugar”. (H. Lefèbvre, La Somme et le Reste). (Publicado orinalmente na Revista Mosaico 4)

Deixemos a ele a tarefa de pensar e agir em nosso lugar. O final do trecho da reflexão de Henri Lefèbvre, filósofo marxista e sociólogo francês, exprime fielmente a atitude inerte dessa sociedade. Considera-se inertes, meus caros colegas, aqueles que insistem em dizer simplesmente: “Não discuto política”; “Não gosto”. E pior: “As pessoas que discutem sobre isso são chatas. Estragam minha noite e minha balada”.

Quem imagina não estar inserido na chamada “participação política” está enganado. Primeiramente, pelo fato de que “votam” – entre aspas, e acho propício explicar o porquê: a escolha do voto no Brasil é pior do que escolher um produto novo no mercado: “Ah, esse eu não conheço. Mas não custa experimentar, né?”.

Não os culpo. Nem a mim, claro, que ainda não sei bem como melhorar minhas atitudes. Não tivemos política na escola. Muito menos na universidade. Nossos pais, se nos ensinam algo é sob um ponto de vista totalmente parcial. Não fomos treinados a isso. Se você é uma exceção, eu o(a) invejo.

Neste momento, somos praticamente eu e você, caro leitor, pois imagino que você é um dos poucos que chegou nessas linhas que agora se desenvolvem.

E o mais triste é saber que pouco tenho a lhe dizer, considerando que ainda me faltam faculdades teóricas para compreender a política que nos cerca. Mas, continuo insistindo nessa tentativa – por enquanto frustrada – de ser menos egoísta. Justamente, por que acredito que fazer e entender política é, na verdade, se preocupar com o próximo.

Sim, porque nos tempos atuais são dois grupos que se interessam por política: aqueles que querem dominar e aqueles que não estão satisfeitos com a sociedade. Se você não é nenhum deles, fique “feliz”! Pelo menos você não é massacrado pela opinião pública. E ainda pode fingir que é uma boa pessoa. Afinal, você “não é” corrupto.

Infelizmente, – e os políticos honestos que me desculpem, pois tento acreditar que eles possam existir – somos comandados por falsos sábios oportunistas. Platão deve se revirar no túmulo, logo ele, que não acreditava na democracia e julgava que nossa sociedade deveria ser comandada por sábios. Mas não existem sábios no capitalismo. Marx bem sabe. Existem espertos – aqueles que estão favoráveis a sua, a minha, a toda e qualquer alienação.

Mas, eu não sou ninguém. Só mais um ser humano substituível, como diria Lefèbvre. Um homem que pouco antes de sua morte declarou: “Devo continuar o meu combate pela teoria? Por vezes, pergunto-me se perdi o meu tempo”.

Sorte dele não estar aqui para ver. Azar nosso.

About these ads

Responses

  1. Eu não gosto muito de filosofia, sabia? Mas este foi um texto que eu adorei ler. Achei o máximo o que o Henri Lefebvre escreveu.
    Quando eu estudei nos EUA, eu tive aula de política na escola. Lá, eles sabem o salário dos políticos, a função de cada um. A alienação por lá é uma opção. Aqui no Brasil, é um pouco pior. Em quase nenhum lugar a reflexão sobre política é incentivada. Ainda bem que existem blogs como o seu.

  2. Do tripé tradicional ao qual nos acostumaram a pensar que não se deve discutir – futebol, religião e política -, o único que relamente importa é a política.

    Gostam de dizer que, das coisas menos importantes, o futebol é a mais importante… fato, mas ainda assim é uma babaquice se preocupar com o esporte a ponto de alterar seu humor por conta disso.

    Discutir religião, por outro lado, considero de uma inutilidade tacanha, porque no final tudo se resumirá à fé, o que torna o diálogo um grande debate sobre o sexo dos anjos. O único momento em que religião deve ser discutido é quando ela interefere em questões públicas como saúde (camisinha, células-tronco…).

    Já a política é a única que de fato importa para todos de maneira comum. A escolha do irresponsável que decide ignorá-la pesa o mesmo que alguém realmente procupado com o futuro de seu bairro, cidade, estado e país.

  3. gostaria que os jovens observace os politicos e não dar seu voto para corrupto, como não ha um que possamos provar sua honestidade vote em branco.

  4. O ANALFABETO POLÍTICO

    O pior analfabeto
    É o analfabeto político,
    Ele não ouve, não fala,
    Nem participa dos acontecimentos políticos.
    Ele não sabe o custo da vida,
    O preço do feijão, do peixe, da farinha,
    Do aluguel, do sapato e do remédio
    Dependem das decisões políticas.

    O analfabeto político
    É tão burro que se orgulha
    E estufa o peito dizendo
    Que odeia a política.

    Não sabe o imbecil que,
    da sua ignorância política
    Nasce a prostituta, o menor abandonado,
    E o pior de todos os bandidos,
    Que é o político vigarista,
    Pilantra, corrupto e lacaio
    Das empresas nacionais e multinacionais

    Bertold Brecht

    Gostaria de fazer provocações para mais discussões:

    Muito boa sua reflexão Amanda, Brecht já nos alertava há muito tempo sobre a reflexão política, ou a falta dela. E eu gostaria muito de uma discussão sobre o tema, muito bem sintetizado no texto de Brescht acima. Lamentável é que assim como, dizia Plínio Marcos brilhantemente em uma de suas frases: “Em quanto o Brasil não mudar, meus textos continuarão sendo atuais”; vemos (hoje) refletido também o texto “atual” de Brecht, escrito a séculos atráz.

    Embora, Amanda, creio que na atual situação que nos encontramos política e educativamente. Não nos basta ir em busca de uma consientização política individual. Devemos pensar e elaborar meios práticos e combatíveis de fazer políticas públicas, que, apesar de encontrarmos no sistema capitalista, a alienação do indivíduo e da massa, como uma sitiação vitoriosa e estratégica por parte da classe dominante e dos interesses do estado. Temos em contra partida, muitos meios de açoes praticas e ativistas por parte das comunidades (aonde se tem a socialização do trabalho, da cultura, da arte e reflexão política e social de forma participativa: jovem, escola, pais, comnudade como um todo…) que devem ser multiplicadas e potencializadas.
    E mais do que isso, ser “divulgados” os acessos que são de direito do cidadão e do povo para que essas “mini revolucões” sejam potencializadas.

  5. [...] também O texto fala de política. Desafio você a lê-lo até o final O poder [...]

  6. [...] Um branco pode ser negro. Não é uma questão biológica, mas política Pena de morte: o peso do julgamento O texto fala sobre política. Desafio você a lê-lo até o final [...]

  7. Começarei a votar, e estava a procura de argumentos para formar a minha escolha. Este site foi muito util. Realmente adorei.

  8. eu como uma jovem estudante do ensino medio de uma escola publica . que não se descuti politica ou qual quer outra coisa porque eles não estão formado pessoas que pensão estão formado pessoas que copia. to metido eles discute-se tipo: vocês convesa muito,assim vocês não vao ter furuto essa coisas …politica tem que descutir porque se não falar este texto daqui cem anos , vai ter o mesmo valor … temos que mudar a estratégia por se não politica e corrupção vai ser sempre a mesma coisa e eu aline sou do grupo que não estou satisfeitas com a sociedade eu quero uma educação renovada,uma pais com qualidade de vida. que estes politicos corruptos pare de meter a mão no dinheiro publico que nos eleitores não vote por obrigação vote por conciência, no meu ponto de vista o voto não deveria ser obrigado … adorei o texto

  9. li tudo

  10. amei o texto

  11. Gostei muito e muito interessante vou fazer uma prova e esses textos vai me ajuda muito .

  12. nao gostei desse texto é muinto,muinto grande

  13. nao gostei dese texto é muinto,muinto grande!!!!!!!!!!!!!!!!!

  14. gostei muito do texto, mais se vc aumentar a fonte da mesma, ficará melhor e menos cansativo para os preguiçosos que aqui frequentam.

  15. o texto é muito bom para abrir os olhos de quem ainda não tem consciência da realidade na política, me ajudou muito com um trabalho aqui.

  16. eu li e por que voce nao toma no coringa

  17. OBRIGAÇÃO DE VOTAR ISSO ESTA ERRADO QUE MUDEM ESSA LEI..

  18. adorei;sinceramente o texto chamou minha atenção de uma forma surpreendente!parabéns….

  19. CONSEGUI!!! AAAAAAA! DETESTO POLITICA!!! MAS EM FIM É INFORMAÇÃO NÈ!!!!!!!

  20. PROMETO LER DI NOVO ASSIM Q TIVER PACIÊNCIA!! A QUAL EU N TENHO MUITA!!!

  21. MT BOM

  22. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK SEM SACO PRA LER DI NOVO

  23. nao consegui e mttttttttttttttttttttttttttt

  24. Gente mto bom o texto…temos que debatermos mtas e mtas vezes sobre “politica”.e a do Brasil principalmente pq achoq mtos tao vendo a politica como se fosse um jogo onde há torcedores “loucos” e “desesperados” pra saber quem vai ganhar, porém nao é isso politica é um assunto mto sério onde devemos debater com clareza e esclareçer todas as dúvidas que há. Sou jovem ainda e nao entendo quase nada porem anseio aprender mto mais…E nós jovens precisamos e necessitamos saber sobre POLITÍCA pra hoje… amanha ou um dia podermos repassar pra nossos filhos…pensem nisso.

  25. Parabéns pelo texto… é possível olhar para os lados e visualizar a incapacidade de ser cidadão… mas quantas Universidades e cursos técnicos … é quantidade… e qualidade???

    Quantas disciplinas tive na Faculdade, quantos curso meus amigos fizeram.. mas até agora poucos….imagino… desenvolvem a politica ou cursaram materias como:
    Relacionamentos – Como lidar com quem amamos.
    Etiqueta e bons modos – Como se comportar em sociedade.
    Maternidade – Ensinar as meninas a responsabilidade de ser mãe.
    Paternidade – Ensinar aos meninos a responsabilidade de ser pai.
    Psicologia – Entender a si mesmo e como funcionamos.
    Filosofia – Conhecer idéias e visões de mundo.
    Política – Entender como funcionam as instituições políticas sob a qual nos submetemos.
    Economia e Finanças – Aprender o básico para prosperar na sociedade em que vive.
    Direito e Civismo – Conhecer seus direitos e deveres civis e sua relação com a nação da qual faz parte.
    Sustentabilidade – Entender sua relação com o meio ambiente.

    Espero poder concluir meu doutorado e quem sabe, mais uma graduação… e talvez encontrar com um legitimo docente que possa nos ensinar uma dessas disciplinas… e ai então quem sabe eu aprenda o que é politica..

  26. Li o texto gostei muito,pode aver algunhas mudanças ,pois no meu ver política tem jeito sim,é so concientizar os senhores governantes que eles tem a obrigação de manter a organizaçao de uma cidade,um estado ou um pais,e em todos os sentidos na vida de um cidadão


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: