Publicado por: Amanda Camasmie | agosto 1, 2009

O texto fala sobre política. Desafio você a lê-lo até o final.

Henri Lefebvre, filósofo marxista

Henri Lefebvre, filósofo marxista e sociólogo francês

No momento em que acaba de conquistar o mundo e inicia a conquista do universo, o homem (individual) mesmo é supérfluo. Só contam as massas fervilhantes, gigantescas. Então porque pensar, porque refletir, agir ou reagir? Cada homem sendo substituível, e além do mais inútil, busquemos o homem insubstituível e necessário, e deixemos a ele a tarefa de pensar e agir em nosso lugar”. (H. Lefèbvre, La Somme et le Reste). (Publicado orinalmente na Revista Mosaico 4)

Deixemos a ele a tarefa de pensar e agir em nosso lugar. O final do trecho da reflexão de Henri Lefèbvre, filósofo marxista e sociólogo francês, exprime fielmente a atitude inerte dessa sociedade. Considera-se inertes, meus caros colegas, aqueles que insistem em dizer simplesmente: “Não discuto política”; “Não gosto”. E pior: “As pessoas que discutem sobre isso são chatas. Estragam minha noite e minha balada”.

Quem imagina não estar inserido na chamada “participação política” está enganado. Primeiramente, pelo fato de que “votam” – entre aspas, e acho propício explicar o porquê: a escolha do voto no Brasil é pior do que escolher um produto novo no mercado: “Ah, esse eu não conheço. Mas não custa experimentar, né?”.

Não os culpo. Nem a mim, claro, que ainda não sei bem como melhorar minhas atitudes. Não tivemos política na escola. Muito menos na universidade. Nossos pais, se nos ensinam algo é sob um ponto de vista totalmente parcial. Não fomos treinados a isso. Se você é uma exceção, eu o(a) invejo.

Neste momento, somos praticamente eu e você, caro leitor, pois imagino que você é um dos poucos que chegou nessas linhas que agora se desenvolvem.

E o mais triste é saber que pouco tenho a lhe dizer, considerando que ainda me faltam faculdades teóricas para compreender a política que nos cerca. Mas, continuo insistindo nessa tentativa – por enquanto frustrada – de ser menos egoísta. Justamente, por que acredito que fazer e entender política é, na verdade, se preocupar com o próximo.

Sim, porque nos tempos atuais são dois grupos que se interessam por política: aqueles que querem dominar e aqueles que não estão satisfeitos com a sociedade. Se você não é nenhum deles, fique “feliz”! Pelo menos você não é massacrado pela opinião pública. E ainda pode fingir que é uma boa pessoa. Afinal, você “não é” corrupto.

Infelizmente, – e os políticos honestos que me desculpem, pois tento acreditar que eles possam existir – somos comandados por falsos sábios oportunistas. Platão deve se revirar no túmulo, logo ele, que não acreditava na democracia e julgava que nossa sociedade deveria ser comandada por sábios. Mas não existem sábios no capitalismo. Marx bem sabe. Existem espertos – aqueles que estão favoráveis a sua, a minha, a toda e qualquer alienação.

Mas, eu não sou ninguém. Só mais um ser humano substituível, como diria Lefèbvre. Um homem que pouco antes de sua morte declarou: “Devo continuar o meu combate pela teoria? Por vezes, pergunto-me se perdi o meu tempo”.

Sorte dele não estar aqui para ver. Azar nosso.


Responses

  1. Eu não gosto muito de filosofia, sabia? Mas este foi um texto que eu adorei ler. Achei o máximo o que o Henri Lefebvre escreveu.
    Quando eu estudei nos EUA, eu tive aula de política na escola. Lá, eles sabem o salário dos políticos, a função de cada um. A alienação por lá é uma opção. Aqui no Brasil, é um pouco pior. Em quase nenhum lugar a reflexão sobre política é incentivada. Ainda bem que existem blogs como o seu.

  2. Do tripé tradicional ao qual nos acostumaram a pensar que não se deve discutir – futebol, religião e política -, o único que relamente importa é a política.

    Gostam de dizer que, das coisas menos importantes, o futebol é a mais importante… fato, mas ainda assim é uma babaquice se preocupar com o esporte a ponto de alterar seu humor por conta disso.

    Discutir religião, por outro lado, considero de uma inutilidade tacanha, porque no final tudo se resumirá à fé, o que torna o diálogo um grande debate sobre o sexo dos anjos. O único momento em que religião deve ser discutido é quando ela interefere em questões públicas como saúde (camisinha, células-tronco…).

    Já a política é a única que de fato importa para todos de maneira comum. A escolha do irresponsável que decide ignorá-la pesa o mesmo que alguém realmente procupado com o futuro de seu bairro, cidade, estado e país.

  3. gostaria que os jovens observace os politicos e não dar seu voto para corrupto, como não ha um que possamos provar sua honestidade vote em branco.

  4. O ANALFABETO POLÍTICO

    O pior analfabeto
    É o analfabeto político,
    Ele não ouve, não fala,
    Nem participa dos acontecimentos políticos.
    Ele não sabe o custo da vida,
    O preço do feijão, do peixe, da farinha,
    Do aluguel, do sapato e do remédio
    Dependem das decisões políticas.

    O analfabeto político
    É tão burro que se orgulha
    E estufa o peito dizendo
    Que odeia a política.

    Não sabe o imbecil que,
    da sua ignorância política
    Nasce a prostituta, o menor abandonado,
    E o pior de todos os bandidos,
    Que é o político vigarista,
    Pilantra, corrupto e lacaio
    Das empresas nacionais e multinacionais

    Bertold Brecht

    Gostaria de fazer provocações para mais discussões:

    Muito boa sua reflexão Amanda, Brecht já nos alertava há muito tempo sobre a reflexão política, ou a falta dela. E eu gostaria muito de uma discussão sobre o tema, muito bem sintetizado no texto de Brescht acima. Lamentável é que assim como, dizia Plínio Marcos brilhantemente em uma de suas frases: “Em quanto o Brasil não mudar, meus textos continuarão sendo atuais”; vemos (hoje) refletido também o texto “atual” de Brecht, escrito a séculos atráz.

    Embora, Amanda, creio que na atual situação que nos encontramos política e educativamente. Não nos basta ir em busca de uma consientização política individual. Devemos pensar e elaborar meios práticos e combatíveis de fazer políticas públicas, que, apesar de encontrarmos no sistema capitalista, a alienação do indivíduo e da massa, como uma sitiação vitoriosa e estratégica por parte da classe dominante e dos interesses do estado. Temos em contra partida, muitos meios de açoes praticas e ativistas por parte das comunidades (aonde se tem a socialização do trabalho, da cultura, da arte e reflexão política e social de forma participativa: jovem, escola, pais, comnudade como um todo…) que devem ser multiplicadas e potencializadas.
    E mais do que isso, ser “divulgados” os acessos que são de direito do cidadão e do povo para que essas “mini revolucões” sejam potencializadas.

  5. […] também O texto fala de política. Desafio você a lê-lo até o final O poder […]

  6. […] Um branco pode ser negro. Não é uma questão biológica, mas política Pena de morte: o peso do julgamento O texto fala sobre política. Desafio você a lê-lo até o final […]

  7. Começarei a votar, e estava a procura de argumentos para formar a minha escolha. Este site foi muito util. Realmente adorei.

  8. eu como uma jovem estudante do ensino medio de uma escola publica . que não se descuti politica ou qual quer outra coisa porque eles não estão formado pessoas que pensão estão formado pessoas que copia. to metido eles discute-se tipo: vocês convesa muito,assim vocês não vao ter furuto essa coisas …politica tem que descutir porque se não falar este texto daqui cem anos , vai ter o mesmo valor … temos que mudar a estratégia por se não politica e corrupção vai ser sempre a mesma coisa e eu aline sou do grupo que não estou satisfeitas com a sociedade eu quero uma educação renovada,uma pais com qualidade de vida. que estes politicos corruptos pare de meter a mão no dinheiro publico que nos eleitores não vote por obrigação vote por conciência, no meu ponto de vista o voto não deveria ser obrigado … adorei o texto

  9. li tudo

  10. amei o texto

  11. Gostei muito e muito interessante vou fazer uma prova e esses textos vai me ajuda muito .

  12. nao gostei desse texto é muinto,muinto grande

  13. nao gostei dese texto é muinto,muinto grande!!!!!!!!!!!!!!!!!

  14. gostei muito do texto, mais se vc aumentar a fonte da mesma, ficará melhor e menos cansativo para os preguiçosos que aqui frequentam.

  15. o texto é muito bom para abrir os olhos de quem ainda não tem consciência da realidade na política, me ajudou muito com um trabalho aqui.

  16. eu li e por que voce nao toma no coringa

  17. OBRIGAÇÃO DE VOTAR ISSO ESTA ERRADO QUE MUDEM ESSA LEI..

  18. adorei;sinceramente o texto chamou minha atenção de uma forma surpreendente!parabéns….

  19. CONSEGUI!!! AAAAAAA! DETESTO POLITICA!!! MAS EM FIM É INFORMAÇÃO NÈ!!!!!!!

  20. PROMETO LER DI NOVO ASSIM Q TIVER PACIÊNCIA!! A QUAL EU N TENHO MUITA!!!

  21. MT BOM

  22. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK SEM SACO PRA LER DI NOVO

  23. nao consegui e mttttttttttttttttttttttttttt

  24. Gente mto bom o texto…temos que debatermos mtas e mtas vezes sobre “politica”.e a do Brasil principalmente pq achoq mtos tao vendo a politica como se fosse um jogo onde há torcedores “loucos” e “desesperados” pra saber quem vai ganhar, porém nao é isso politica é um assunto mto sério onde devemos debater com clareza e esclareçer todas as dúvidas que há. Sou jovem ainda e nao entendo quase nada porem anseio aprender mto mais…E nós jovens precisamos e necessitamos saber sobre POLITÍCA pra hoje… amanha ou um dia podermos repassar pra nossos filhos…pensem nisso.

  25. Parabéns pelo texto… é possível olhar para os lados e visualizar a incapacidade de ser cidadão… mas quantas Universidades e cursos técnicos … é quantidade… e qualidade???

    Quantas disciplinas tive na Faculdade, quantos curso meus amigos fizeram.. mas até agora poucos….imagino… desenvolvem a politica ou cursaram materias como:
    Relacionamentos – Como lidar com quem amamos.
    Etiqueta e bons modos – Como se comportar em sociedade.
    Maternidade – Ensinar as meninas a responsabilidade de ser mãe.
    Paternidade – Ensinar aos meninos a responsabilidade de ser pai.
    Psicologia – Entender a si mesmo e como funcionamos.
    Filosofia – Conhecer idéias e visões de mundo.
    Política – Entender como funcionam as instituições políticas sob a qual nos submetemos.
    Economia e Finanças – Aprender o básico para prosperar na sociedade em que vive.
    Direito e Civismo – Conhecer seus direitos e deveres civis e sua relação com a nação da qual faz parte.
    Sustentabilidade – Entender sua relação com o meio ambiente.

    Espero poder concluir meu doutorado e quem sabe, mais uma graduação… e talvez encontrar com um legitimo docente que possa nos ensinar uma dessas disciplinas… e ai então quem sabe eu aprenda o que é politica..

  26. Li o texto gostei muito,pode aver algunhas mudanças ,pois no meu ver política tem jeito sim,é so concientizar os senhores governantes que eles tem a obrigação de manter a organizaçao de uma cidade,um estado ou um pais,e em todos os sentidos na vida de um cidadão

  27. ESSE CARA É REACIONÁRIO!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alteração )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alteração )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alteração )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alteração )

Conectando a %s

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: